Scroll Top

7 passos para realizar o mapeamento de riscos de cibersegurança

mapeamento de riscos

O mapeamento de riscos de cibersegurança é um processo vital para identificar possíveis vulnerabilidades e ameaças à infraestrutura de TI de uma empresa, além de ajudar a analisar a possibilidade de algum incidente de segurança ocorrer e determinar qual seria seu impacto.

Esse mapeamento também irá fornecer insights para adicionar recursos e controles de segurança adicionais, preparando a empresa para enfrentar problemas específicos e mitigar violações e outros incidentes mais rapidamente.

Como não existe uma estratégia de segurança cibernética que se adeque a todas as empresas. Cada organização precisa enfrentar um conjunto de riscos único. Por esse motivo, deve implementar uma abordagem própria para proteger seus ativos. É nesse momento que o mapeamento de riscos mostra suas armas.

O que é o mapeamento de riscos de cibersegurança?

Basicamente, todas as empresas estão conectadas à internet e mantêm sua infraestrutura de TI conectada. Ou seja, todas elas estão em risco de sofrer algum tipo de ataque cibernético. E a única maneira de entender a dimensão desses riscos e saber como gerenciá-los corretamente, é realizando o mapeamento de riscos de cibersegurança.

Esse mapeamento envolve práticas que avaliam as ameaças à infraestrutura de rede e TI de uma organização, e sua capacidade de proteger seus ativos.

A avaliação também permite identificar e priorizar as melhorias que devem ser implementadas nos programas de segurança de dados da empresa, contribuindo para tornar a comunicação de incidentes mais eficiente e tomar as decisões corretas sobre os recursos necessários para reduzir os riscos.

Passos para implementar o mapeamento de riscos de cibersegurança

Um mapeamento de riscos de cibersegurança exige, em primeiro lugar, que a equipe de TI determine os objetivos de negócios e identifique os ativos de TI necessários para que os objetivos sejam alcançados.

Entretanto, o mapeamento de riscos não é nada simples de ser feito, exigindo a construção de uma estratégia de gestão de riscos robusta desde o início. Para ajudar sua empresa, a equipe de especialistas da SVX listou alguns passos muito úteis para a realização eficiente do mapeamento de riscos.

Determine o escopo do mapeamento

O mapeamento de risco cibernético deve começar com o escopo da avaliação, se ele será realizado em toda a empresa ou por partes, um setor, uma unidade de negócios ou um aspecto específico de cada vez. Por isso é muito importante contar com o apoio de todos que serão impactados pela avaliação, já que poderão contribuir para compreender quais são os ativos e processos mais importantes, identificar riscos, avaliar impactos e qual a tolerância para risco.

Nesse ponto, a empresa deve optar por realizar o mapeamento de risco utilizando apenas recursos internos ou se será necessário contratar uma consultoria especializada. De qualquer forma, todos os profissionais envolvidos precisam estar familiarizados com a terminologia utilizada e com os diversos conceitos de segurança cibernética utilizados para orientar sobre como realizar o mapeamento de riscos corretamente.

Identifique os ativos

Só é possível proteger aquilo que se tem conhecimento. Então, o segundo passo é criar um inventário com os ativos físicos e de dados de acordo com o escopo realizado anteriormente. Esse inventário precisa conter informações sobre ativos críticos para os negócios e ativos que invasores podem assumir o controle, como um servidor de diretório. Com isso, é possível criar um diagrama de arquitetura de rede e visualizar a interconectividade entre ativos e como eles trocam informações entre si e os processos envolvidos, além dos pontos de entrada.

Identifique ameaças

Ameaças são todas as táticas, técnicas e métodos utilizados por cibercriminosos para roubar dados ou controlar a rede da empresa, causando graves danos aos ativos. Para tornar a identificação mais fácil, a equipe de TI pode utilizar bibliotecas de ameaças, como a Mitre ATT&CK, que fornece dados atualizados sobre ameaças cibernéticas. Também considere os relatórios e os avisos divulgados por fornecedores de segurança.

Análise riscos e determine o impacto

Além de identificar ameaças é fundamental determinar a probabilidade de os riscos ocorrerem e qual o impacto deles nas operações. Isso é feito atribuindo probabilidades aos riscos listados. A pontuação é feita da seguinte forma:

  • Qual a probabilidade de um cibercriminoso ter acesso ao ativo? Esse valor varia de 1 (raro) a 5 (altamente provável)
  • Qual o impacto financeiro, operacional e de reputação que um incidente terá? O impacto também vai de uma escala de 1 (negligenciável) a 5 (muito grave)

Ao multiplicar a probabilidade pelo impacto, a equipe de TI também consegue determinar o nível de tolerância ao risco e qual ação seguir — aceitar, evitar, transferir ou mitigar.

Defina controles de segurança

O passo seguinte é definir e implementar os controles de segurança necessários para gerenciar riscos que devem ser eliminados ou para reduzir a possibilidade de que ocorram. Esses controles envolvem a segregação de rede, criptografia de dados em repouso e em trânsito, implementação de aplicativos contra malwares, ransomware e phishing, configuração de firewall, protocolos de senha e autenticação, treinamento e gerenciamento de risco do fornecedor.

Documente todos os riscos

É vital documentar todos os cenários possíveis de riscos identificados. Esse documento precisa ser revisto e atualizado constantemente, garantindo atualização contra novas ameaças cibernéticas. O inventário deve incluir: cenário de riscos, data de identificação, controles de segurança, nível de risco, plano de tratamento, status de progresso, nível de risco residual e o proprietário do risco.

Monitorar e avaliar a eficácia

Como as ameaças mudam continuamente suas táticas e métodos, o mapeamento de riscos de cibersegurança precisa ajustar as medidas de segurança e o programa de gestão de riscos para monitorar a infraestrutura de TI e identificar novas ameaças.

Quais empresas devem realizar o mapeamento de riscos de cibersegurança

A resposta é simples: todas as empresas que utilizam uma infraestrutura de TI. Por isso, a SVX conta com uma estratégia de segurança cibernética fundamentada em uma compreensão profunda do cenário de ameaças digitais. Essa estratégia foi construída sobre três pilares principais: avaliação de risco, planejamento estratégico e implementação de soluções de segurança.

Dessa forma, a equipe de segurança cibernética da SVX prepara sua empresa para responder a eventos inesperados que podem causar interrupções significativas nos serviços de TI com maior eficiência. Entre em contato e conheça nossa solução.

+ conteúdo